segunda-feira, 30 de março de 2015

O verdadeiro significado do "Diário de Milagres"

Hoje o post seria continuação dos "Milagres que nos trouxeram até aqui", mas por força maior resolvi mudar o tema e contar sobre o encontro virtual que Deus nos proporcionou hoje.

Por volta das 14:00 precisei tirar uma cochilada breve...kkkkk. Foram aproximadamente 90 min de um soninho leve e bem agradável!

Acordei com o Chico Lico me "apavorando", forma carinhosa que ele sempre encontra para me despertar.

Peguei meu celular com um intuito de responder algumas mensagens... simmmm eu sempre faço isso umas duas vezes ao dia e começo das mensagens (inbox) mais antigas até as mais novas... leio e respondo carinhosamente.

Mas hoje foi diferente, quando peguei o celular tinha acabado de chegar uma mensagem, no impulso abri. Era do Leonardo Konarzewski, ele também está aqui nos EUA na luta contra o câncer, assim como eu.

Respondi a mensagem dele e começamos a conversar. Do face, para o telefone, do telefone para o skype. Uma vídeo conferência animada entre eu, Henrique, Leonardo e sua mãe Lourdes. Dividimos nossas estórias, nossos medos e nossas esperanças...

 
Conversa pelo skype

O Leonardo ainda não começou o tratamento, existem vários empecilhos, mas atualmente o maior é o valor financeiro. Ele precisa arrecadar 55 mil dólares para começar o tratamento... e isso precisa ser rápido, até a próxima quarta-feira (01/04/2015). Eles criaram uma campanha muito parecida com a minha e têm conseguido bons resultados, mas o problema é essa corrida contra o tempo...

Filho e mãe vieram para os EUA, enfrentando a barreira da língua e da cultura... O pai, irmãos e amigos ficaram no Brasil organizando a campanha para arrecadar o dinheiro necessário.

Para conhecer detalhes da estória do Leonardo acessem: http://leokz.com/campanha/.

E assim como vocês têm me apoiado gostaria de pedir o apoio para o Leo! Coloquem esse jovem nas orações de vocês, compartilhem a campanha dele e façam doações de qualquer valor!!!

Pode parecer estranho e para alguns um pouco pedinte demais, mas a cada dia tenho mais certeza dos desígnios de Deus para a minha vida... Simplesmente estamos aqui para ser feliz e fazer os outros felizes... Portanto, hoje ganhei mais um amigo, um companheiro de batalha e sei que posso fazer algo por mim e por ele ao mesmo tempo!

E muitos mais casos como o meu e do Leonardo existem e estão aí escancarados para sacudir o mundo e nos ajudar a sair de nós mesmos e irmos em prol do outro...

Já tem alguns dias que eu e o Henrique estamos pensando em um projeto, para ajudar pessoas que passam por essa situação: doença grave, sem tratamento no Brasil!!! Nosso projeto começou a tomar corpo no fim de semana e hoje recebemos um sinal divino de que é necessário e que vai dar certo!!! São informações, direcionamentos, apoio emocional, jurídico e financeiro que podem mudar uma vida, ou várias vidas!!!

Nossa intenção é que o projeto aconteça pé por pé, de acordo com as inspirações do Espírito Santo, o que decidimos é que não vamos ficar parados, até que eu esteja curada para começar a trilhar o caminho de Alegria e Fé que o nosso bom Deus tem nos preparado!!!

A partir de hoje, o diário de milagres passa a ser não simplesmente a caminhada da Camila rumo à cura, mas a caminhada de vários amigos...

Que nossos corações atravessem barreiras e que possamos atingir nosso potencial maior de bondade, caridade e amor ao próximo!!!

O #juntoscomcamila toma a partir de hoje um significado muito maior... E quem quiser que venha conosco nessa nova caminhada!!!


Forte abraço cheio de alegria e animação

sexta-feira, 27 de março de 2015

Oi! Aqui é Kessi Jones...

Olá! Eu sou a Késsia, irmã da Mila, mais conhecida por Kessi Jones! Rs... E não me perguntem de onde vem este apelido, pois não tenho a menor  ideia! Aliás, acho que nem a própria Mila sabe o motivo ou a origem... Rs...Fato é, que há anos a Mila só me chama de Kessi Jones. Confesso que no início ficava quase que indignada, não entendia o apelido e, para falar a verdade, não o achava nada bonito! Mas a Mila o pronunciava e o pronuncia com tanto carinho que resolvi aceitar ser a Kessi Jones... Rs...

Irmãs

Então... Eu sempre fui muitíssimo ligada à Mila. Lembro-me de quando éramos crianças e fazíamos uma novena com umas senhoras idosas que moravam em uma Comunidade de São Vicente de Paula que ficava próxima à nossa casa, lá em Bom Despacho. Não me lembro qual o dia da semana era o encontro com nossas “velhinhas”, mas era um encontro semanal sagrado. E lá íamos nós duas rezar com as nossas amigas! Acho que íamos mais era conversar, até porque éramos pequenas, eu devia ter meus oito / nove anos e a Mila seus cinco / seis anos. Adorávamos aqueles encontros! As nossas “velhinhas” nos contavam suas histórias e nos serviam bolo com café! Eu e a Mila gostávamos especialmente da Dona Genuína e da Dona Maria dos Gatos (este último apelido foi a Mila quem colocou porque ela tinha muitos gatos em casa, quase que disputávamos o sofá com um dos seus “chaninhos”... kkk). A Mila dava a maior atenção às nossas amigas e se divertia bastante com as histórias de cada uma. Nossos encontros eram sempre muito alegres. 

 Família

A razão de ter começado relembrando esta história é para demostrar que a fé e o jeitinho carinhoso, amigo e acolhedor da Mila não são características recentes da minha ‘irmã-super-amiga’; ao contrário, são traços que a acompanham desde que ela era muito novinha.

Vocês não imaginam como me sinto orgulhosa da trajetória desta minha querida! Tudo nela me agrada! 

E o interessante é que, embora a Mila seja nossa irmã mais nova (somos quatro: Vivi, eu, Cissa e ela), a Mila sempre nos ensinou muitas coisas, a nós três. O amor a Deus, por exemplo, e a valorização da amizade e da família sempre foram muito vivos na Mila. Ah! E também o modo como ela encara os desafios!!! 

A Mila sempre foi excepcional no quesito resolver problemas. Se um desafio (que para nós muitas vezes é visto como problemão) lhe é apresentado, ela encontra uma força interior incrível e, simplesmente, encara o problema e... quando você ainda está digerindo o problemão, a Mila já o resolveu ou, no mínimo, já traçou as estratégias para resolvê-lo. Não tem chororô!

Aliás, me peguei agora tentando lembrar situações em que vi a Mila desesperada, e, juro, não recordei nenhuma! Nem mesmo no dia 04 de dezembro/2014 – quando ela me ligou contando que haviam solicitando a repetição da tomografia e que ela havia acabado de repeti-la... e que o médico tinha afirmado que, na melhor das hipóteses, ela tinha uma tuberculose e, na pior, um câncer – a Mila não se desesperou. Neste dia, ficamos ali... conversando ao telefone, e ela me dizendo que estava pensando em quais os propósitos que Deus tinha para ela. Foi uma conversa tranquila, embora meu coração estivesse agitado. Mas a Mila não me deu a chance de desesperar, simplesmente me disse: “Kessi Jones, não cai uma folha da árvore sem Deus querer!” Desligamos o telefone e eu pensei: “Não é Câncer. Meu Deus, mas e se for...”. 

Bom, concluindo, raríssimas vezes vi a Mila chorar diante de algum dos desafios que os homens ou Deus colocou diante dela.

Acho que já me delonguei mais do que pretendia - rs. Afinal, o meu objetivo inicial era compartilhar com vocês um post que a Mila escreveu poucos dias depois do seu aniversário do ano passado, quando ela estava fazendo doutorado fora do país.

O nome do post é: Você pode ser sua melhor companhia! (obs.: o texto também está aqui em baixo... no post logo depois!).

Através desse texto vocês poderão conhecer um pouquinho mais da Mila, extraordinário ser humano de um metro e meio! Que tem uma fé incrível e uma positividade e alegria contagiantes...

Afff! Desculpem-me, mas tem mais um fato que gostaria de compartilhar com vocês antes de terminar.

Certo dia, já em Houston, a Mila me ligou e no meio da conversa ela disse: “Kessi Jones, sempre achei que o melhor presente que os pais poderiam deixar para os filhos eram os estudos; hoje tenho certeza que é a fé.”.

Isso mexeu muito comigo, me fez rever valores e prioridades, talvez porque Deus já tenha me presenteado com nossos dois presentes maravilhosos, a Sofia e o Heitor.

 Nossa Sossô

Dito isso, deleitem-se como o post da Mila!

Um abraço cheio de fé, alegria e carinho.

#juntoscomcamila

Késsia Leles

Você pode ser sua melhor companhia! #repost

Como o meu post ficaria muito grande, resolvi colocar aqui separadinho o post da nossa guerreira! Aproveitem cada sábia palavra...

Beijos

Késsia Leles

"Por ocasião do meu aniversário me peguei refletindo várias vezes... refletindo sobra a vida e sobre a forma que vivemos... o jeito que cada um escolhe para simplesmente viver ou viver intensamente!

Lembrei-me de um texto que li no blog da Carol Rache (What About), o título do post é "Sozinha" e foi escrito pela Laura Henriques. Chamaram-me a atenção os pensamentos explícitos no texto e principalmente minha afinidade com alguns... O porquê de ter lembrado desse texto? Ora, eu estava em Lisboa, e de acordo com muitos “sozinha”, mas de acordo com os meus pensamentos estava comigo mesma e principalmente com Deus! Além disso havia muitas pessoas comigo, não fisicamente, mas de outras maneiras... e foi por isso que eu me lembrei do texto!

Basicamente, na minha opinião, o segredo para a felicidade é fazer o outro feliz! A frase "não devemos nos importar com o que os outros pensam da gente" é clichê, mas é verdadeira! O difícil é realmente fazer acontecer! Pois bem, eu tenho esse lema: "viver para ser feliz e fazer os outros felizes". Nem sempre eu consigo me desligar do que os outros vão pensar e falar de mim, mas eu tenho tentado aprimorar ao longo dos anos!

Nesse meu 310 aniversário (ai meu Deus, passei dos 30... kkkkk) eu estava em Lisboa! Eu, eu mesma e Deus (conhecem o filme "Eu, eu mesmo e Irene"? Pois é, tipo isso). Era uma viagem de trabalho, ou melhor, de estudos e lá estava eu... Durante 3 dias, nas horas vagas, passeei por Lisboa, revisitei lugares (já tinha tido a oportunidade de visitar Lisboa com o Chico quando nós ainda éramos namorados) e conheci restaurantes!

Sim, eu fiz tudo isso comigo mesma e foi maravilhoso! Claro que eu gostaria que outras pessoas queridas estivessem comigo, mas naquele momento isso era impossível, então o melhor que eu tinha a fazer era aproveitar ao máximo... e foi exatamente o que eu fiz!

No dia do meu aniversário (29/04) foi a minha apresentação no congresso e foi tudo ótimo! O Espírito Santo que diga! Pois foi ele quem falou, ouviu e discutiu por mim... eu só estava lá de corpo presente, a tarefa árdua ficou toda para Ele! Depois da apresentação fui para o hotel me arrumar para a comemoração do meu aniversário... dos meu 31 anos bem vividos!

Eu já havia escolhido o restaurante, queria comer o melhor bacalhau de Lisboa! E foi exatamente com essa intenção e perguntando aqui e ali que eu descobri o restaurante para a minha comemoração! Pedi sugestões no hotel, em outros restaurantes, em pontos turísticos, para nativos de Lisboa e claro para o Google... Várias opiniões e um mesmo nome: Laurentina, o Rei do Bacalhau (Restaurante Laurentina)!



Restaurante Laurentina, o Rei do Bacalhau - Foto da placa que fica na entrada do restaurante


Decidido! O restaurante ficava perto (20 minutos a pé) do hotel onde eu estava hospedada... ótima oportunidade para contemplar mais um pouco a bela arquitetura de Lisboa!

Fui para o restaurante... eram quase 20 horas e quando lá cheguei fui muito bem recebida. O recepcionista me fez a seguinte pergunta: "Mesa para quantas pessoas?". Eu disse: "Para uma". E muito delicadamente ele perguntou: "Você vai jantar sozinha?". E eu respondi: "Vou jantar comigo mesma"! Ele abriu um sorriso e me encaminhou até uma mesa! Não me senti mal com a pergunta e também não o critiquei mentalmente por tê-la feito! Talvez eu também a fizesse.

O ambiente era agradável, confortável e bonito! Nada de muito luxo, mas com um serviço excelente!

Eu no Laurentina - Comemoração de aniversário!

Quem me atendeu foi o Fernando Henrique! Sim, quando ele percebeu que eu era brasileira fez questão de me contar que o nome dele era famoso no Brasil. Ele foi muito gentil. Percebi rapidamente que ele estava preocupado com o fato de eu estar sozinha. A primeira coisa que ele me falou foi que no restaurante tinha wifi e que a senha era "bacalhau". Minha bateria estava no fim e eu precisava poupá-la porque na volta poderia precisar de uma ajudinha básica do GPS (#salvadordapatria). Não peguei o celular, continuei olhando o menu... ele trouxe o couvert e eu pedi uma água e um vinho!

Quando ele trouxe o vinho ele me perguntou: "Você não vai querer usar a internet?".Eu disse não, obrigada. E ele insistiu: "E tirar umas fotos?". Pensei: "Será que ele está preocupado por eu estar sozinha?". Bingo! Contei a ele porque eu estava ali, como eu estava me sentindo bem... contei do Brasil, da minha paixão pelo bacalhau... e ainda expliquei a ele que o meu telefone estava acabando a bateria. E não é que ele me arrumou um carregador? Ahannn... carregou meu celular e ainda tirou foto comigo!

Eu e o Fernando Henrique

Como couvert me serviram pães, azeitonas e bolinho de bacalhau... tudo isso regado a azeite (cada um pode colocar o tanto que gosta, o azeite vem separado). Para acompanhar tomei uma taça do vinho da casa... eu sempre gosto de experimentar o vinho da casa, principalmente em Portugal e na Itália que geralmente são muito bons! E eu estava certa, o vinho da casa era excelente!

O cardápio tem várias opções de bacalhau... também tem saladas, carnes e outros frutos do mar! Mas eu estava lá para comer o bacalhau! Então foquei nos pratos de bacalhau. Fiquei em dúvida entre dois: (1) Bacalhau com Natas e Espinafres ou (2) Bacalhau à Laurentina! Que dúvida cruel... Pedi ajuda ao Fernando Henrique. Ele me disse que os dois eram muito bons, mas que o preferido dele era o primeiro. Pronto, decidido: Bacalhau com Natas e Espinafres!

Também pedi a ele sugestão de um bom vinho para harmonizar com o bacalhau. Adoro pedir essas dicas para alguém que conhece os vinhos e os pratos do restaurante... e claro, conhece as especificidades da harmonização. Ele me indicou 2... falou sobre as características de cada um e me deixou provar para ver qual era o meu preferido.

Decidido o prato, decidido o vinho! Agora era só esperar... Ainda tomando o primeiro vinho comecei a observar o restaurante, as pessoas, as diferentes línguas... meu tempo, só meu... Tempo valioso... Conversando com os meus pensamentos, relembrando momentos e agradecendo tudoooo que me foi proporcionado ao longo desses 31 anos!

O prato chegou... hora de me lambuzar... Hummmmm, sensacional! Quando lembro do sabor fico com água na boca... dá vontade de voltar nadando ou correndo para Lisboa (A Fê Lellis iria aprovar essa façanha esportiva... kkkk)!

Bacalhau com natas e espinafres

Casamento perfeito do vinho com o prato! Não me lembro o nome do vinho. Só me lembro que era um vinho português, tinto e reserva! De resto, me lembro apenas do sabor!

Chegou a hora de sobremesa... Eu já sabia o que eu queria: vinho do Porto! Eu simplesmente amoooo vinho do Porto! Fernando Henrique trouxe a carta de sobremesas, mas eu agradeci... pedi a carta de vinhos para que eu pudesse escolher o Porto! Ele me disse que eu arrependeria de não experimentar a sobremesa, mas eu realmente estava decidida... apenas o vinho do Porto!

E surpresinha, o vinho do Porto é uma cortesia do restaurante para os clientes! Simmmmm, não tem que pagar....kkkkk. E não era qualquer vinho do Porto, era um LBV 10 anos! Delirei!

Excelente restaurante: atendimento, entrada, prato principal e vinhos! Tudo aprovado. Já tenho retorno marcado - 12 de junho, dia dos namorados vou levar meu eterno namorado lá! Chico Lico vai se esbaldar!

Relembrando os fatos hoje, fico pensando: se o simples fato de não ter companhia (que não fosse eu mesma) tivesse me deixado enfurnada no hotel, eu não teria conhecido o restaurante, não teria me deliciado de um bom vinho e boa comida, não teria comemorado meu aniversário e não teria programa para o dia dos namorados... kkkk! Quantos nãos, quantas privações, pelo simples fato de estar comigo mesma!!!

Sabe, tem tanta coisa que podemos fazer sozinhos e aproveitar, mas a gente simplesmente não faz... Lembro-me no início do meu namoro com o Henrique que ele pôde tirar férias e eu não. Sozinho ele foi conhecer o Chile! Fez um mochilão e amou! Conheceu vários lugares, tirou muitas fotos, saboreou novos sabores... e depois me levou para conhecer os melhores... kkkk!

Henrique no Chile - Utilizou o tripé (mini) para tirar a foto

Companheira de viagem do Henrique: a bike

Quando eu o contei que iria escrever esse post, ele ficou super animado e começou a falar sobre várias coisas interessantes de se fazer sozinho. Concordei, anotei e acrescentei algumas para colocar aqui:

1 - Visitem bibliotecas! Em Amsterdã tem uma sensacional;
2 - Visitem museus! Estão em todos os lugares e vocês poderão prestar muita atenção em cada obra. Muitas vezes as companhias nos distraem e acabamos conversando mais que observando;
3 - Façam passeios guiados! Esses nos proporcionam bate-papo com outras pessoas;
4 - Utilizem áudio guias! Companheiros e ainda cultos... kkkk;
5 - Hospedem-se em Hostels! Essa é uma boa dica para quem quer conhecer novas pessoas;
6 - Abusem das selfies, dos tripés e do temporizador para tirar fotos;
7 - Façam passeios de bicicleta;
8 - Degustem os sabores locais (comida e bebida)!

E para finalizar deixo 3 dicas para vocês, queridos leitores: 

1 - Não importa onde vocês estejam e nem com quem vocês estejam, aproveitem a vida!
2 - Importem-se apenas com o que é importante para te fazer feliz e fazer os outros felizes...
3 - Restaurante Laurentina, o Rei do Bacalhau!

Comecei meu ano com o pé direito! Que seja assim... para mim e para vocês!

Bjoks alegres e animadoras da Caca Leles".

quarta-feira, 25 de março de 2015

Dia 20: sobre os milagres que nos trouxeram até aqui!

Olá olá!!!! Olha eu aqui novamente!!!

Tive visitas muito queridas (Dudu e Bina) e visitas nem tão queridas assim (efeitos colaterais)...kkkkkk! Após o tratamento de sexta os efeitos colaterais apareceram: diarréia, alergias na pele e ressecamento das mucosas, principalmente na boca. Mas tudo sob controle e suportável, graças a Deus!  

Lanche com os amigos
  
Continuemos de onde paramos na história dos milagres que nos trouxeram até aqui...

Saí do hospital feliz da vida, fui para casa e novamente recebi muitas visitas queridas!!! A Nanda, Mumu, Aninha, Super Leite, Débora (primos), a Toquinha e tio Elias (tios).

Estava me recuperando da cirurgia e não podia fazer muita estripulia, mas adorava receber as visitas, casa cheia... minha mãe também ficou conosco mais alguns dias.

No dia 19 o Dr. Leonardo ligou e pediu para irmos ao consultório, o Dr. Guaxupé tinho sido rápido e liberado o resultado mais cedo... Meu coração gelou, mas ainda estava confiante!!!

Minha mãe estava preocupada e me disse: "Mila, você precisa estar preparada para o pior". Nessa hora fiquei muito brava com ela, falei que não, que eu acreditava que poderia ser o melhor e que iria acreditar até que me provassem o contrário...kkkkkk.

Mas ela disse: "E se for o pior?". E eu respondi: "Se for o pior, Deus vai me preparar, mas não vou perder as esperanças agora."

Fomos (eu, Chico Lico, Maricota e Júnia) para o consultório do Dr. Leonardo, estava próximo do Natal e eu tinha escolhido um vinho para dar a ele, como reconhecimento de todo o carinho que ele tinha conosco.

Barriga fria, coração acelerado...kkkkkk. Estou rindo porque consigo sentir as sensações daquele dia, lembro como se fosse hoje!!!

Quando entramos no consultório entreguei o vinho logo e disse: "Vou te entregar essa lembrança primeiro pq se o resultado for bom vão falar que te entreguei por causa disso, se for ruim vou sair correndo e não te entregarei..."! Todo mundo riu... depois os semblantes ficaram tensos e ele foi direto ao assunto.

O resultado: câncer... Prendi a respiração e fiquei firme, não chorei e acho que por isso ninguém mais chorou... Ele explicou tudo da melhor forma possível, mas sério, a sensação era que um abismo tinha acabado de ser aberto sob meus pés...

Era sexta, dia de alegria e a gente ali, com um resultado terrível nas mãos.

O Dr. Leonardo já tinha conversado sobre meu caso com um amigo dele, o Dr. Luiz Flávio. Ele nos perguntou se queríamos marcar uma consulta com ele. Como a gente gostava muito do Dr. Leonardo achamos que seria uma ótima opção consultar com um amigo dele. Então ele ligou para o Dr. Luiz Flávio e agendou a consulta para o sábado de manhã.

É impressionante como a forma de falar as coisas faz toda a diferença... saímos um pouco mais tranquilos do consultório, mesmo com um resultado tão ruim, estávamos tranquilos!!!

Entramos no carro e minha mãe contou que tinha sonhado com a Dona Rosa, amiga nossa que morreu de câncer, e que a Dona Rosa tinha falado com ela que seria difícil, que o resultado não seria bom, mas que tudo daria certo... Estava explicado pq minha mãe insistiu para que eu me preparasse para o pior!!!

E agora, como contar para as meninas (minhas irmãs)? Como contar para o Ximas (meu pai) e para os amigos queridos?

Sinceramente eu não queria contar nada para ninguém... Deixei essa tarefa para a Maricota, Chico e Júnia!!! E pedi que dessem o meu recado: sem choradeira, se ficassem se lamentando e com pena, pensamentos negativos ou qualquer coisa desse tipo, iria eliminar da minha lista de convivência, simples assim... Parece cruel, não é mesmo? Mas eu precisava de pessoas alegres e positivas, não de gente chorando e se lamentando... eu precisava de força...
Recado dado, ninguém me ligou chorando...kkkkkk Até então tudo certo....

Enviei algumas mensagens com a notícia... estava cansada...

Fomos ao hospital Belo Horizonte pegar o resultado com o Dr. Guaxupé, lembro do sorriso acolhedor dele e um semblante que dizia: "Vai dar tudo certo".

E agora, o que fazer? Não, eu não queria ir para casa e não queria conversar... O Chico sugeriu um cineminha e eu topei. Fomos para o cinema, apenas eu e o Chico. Minha mãe foi com a Junia para a casa dela.

Assistimos O Hobbit 3!!! Fiquei firme... e o Chico mais ainda... Mas quando o filme terminou e saímos do cinema eu não aguentei, abri um bocão no meio do shopping, chorei chorei, chorei... afinal de contas eu estava com medo... e tinha o direito de estar com medo, por isso me dei a oportunidade de chorar e colocar todo o medo para fora!!!

Do Shopping fomos caminhando para a Paróquia Santo Antônio dos Funcionários, local onde conheci o Chico, criamos grandes amigos e nos casamos... estava quase no horário da missa e decidimos que seria bom ir conversar com Deus na casa Dele...

Durante a missa acho que flutuei... fiquei tão mais leve e começava a me preparar para a batalha que estava apenas começando... E Deus sempre me dizendo: "Fica firme, vai dar tudo certo"... Acreditei e creio nisso!

Depois da missa fomos para a casa dos pais do Chico buscar a Maricota. Chegamos lá tinha um lanche lindo nos esperando... A vovó Didi, tia Nádia, Padrinho Tião, Henricão, Júnia, Fé e Maricota, todos nos esperando com um sorriso no rosto!!!

Não ficamos nos lamentando, simplesmente curtimos o lanche...

Fomos para casa tarde, eu, Chico e Maricota!!! Amanhã seria outro dia...

Muitas bjoksss carinhosas

#juntoscomcamila

quinta-feira, 19 de março de 2015

Dia 14: sobre os milagres que nos trouxeram até aqui!

Sumi no fim de semana né? Mas foi por uma boa causa, descobrimos uma comunidade católica de brasileiros aqui em Houston! E no sábado teve um retiro quaresmal sensacional!!! Valeu a pena ter participado, agora somos membros da comunidade e participaremos de vários eventos... Iluminação Divina termos encontrado esse grupo!

E como todos sabem, segunda e terça foram dias de hospital, por isso não consegui escrever muito.

Agora, que tal retomarmos de onde paramos? Só para recapitular, eu já estava no quarto, certo?

Foi uma alegria ir para o quarto, principalmente porque pude receber muitas e muitas visitas!!!
Para vocês terem ideia, teve um dia que tinham 8 pessoas lá... até passar mal eu passei....kkkkkk.

Eu gosto de relembrar cada um que foi me ver, com mensagens positivas, comidinhas gostosas, presentes e muito carinho: Chico e Maricota (mãe), que chegaram a brigar para ver quem dormiria comigo...kkkkkk. Ximas (pai), Cissoca e Vivi (irmãs), Andrezito, Fê e Juju (cunhados), Junia e Henricão (sogros), Ló, Dalila, Super Leite, Débora, Lu, Tathi, Ramonzinho, Junior, Laurinha e Marco Antônio (primos), Max, Sara, Celina, Fia, Bitha, Gêmeas, Remelo, Mari e Sonequinha (amigos), Lelena e Bebete (madrinhas), Cris (tia).

Fiquei internada do dia 10 ao dia 17 de dezembro. No dia 15 fui submetida à cirurgia para retirada do material com intuito de fazer a biopsia. Existia uma chance grande de ter que serrar uma costela ou fazer afastamento de duas (processo bem doloroso), por esse motivo reservaram CTI e UTI e deixaram minha mãe e o Chico pré-avisados. Previsão: 2 horas de cirurgia.

Antes da cirurgia com a santinha da Lu (prima). 
Ela foi me visitar e deixou a protetora dela comigo

No dia anterior minha última refeição foi as 22h, mas foi uma super refeição, com direito a pizza e sobremesa...kkkkkk! Foram 16 horas de jejum... E então chegaram para me buscar, rumo à sala de cirurgia...

Me lembro pouco da sala de cirurgia, pois foi a conta de chegar lá, ser sedada e dormir...kkkkkk!

Acordei com uma sensação esquisita, parecia que estava sem ar. Não conseguia sentir minhas pernas, me deu uma agonia... O Dr. Leonardo aproximou e perguntou se estava tudo bem. Eu disse que não...kkkkkkk, que queria sentar, se alguém podia me colocar sentada. Ele apoiou as minhas pernas na cama e perguntou se tinha melhorado, pois sentar eu não podia.

Depois de uns 30 minutos me levaram para o quarto... aí fiquei sabendo de tudo, a cirurgia tinha sido um sucesso!!! Com duração de 45 minutos, sem problemas com as costelas... O Dr. Leonardo disse que quando entrou com a câmera estava tudo visível e que conseguiu retirar todas as partes necessárias muito rápido. Agradeci muitooooo, Espírito Santo tinha iluminado tudo e eu estava ali, perfeita e forte!!!

Ficamos muito muito felizes, naquela noite jantei, chupei picolé e consegui dormir um pouco!!!

Apesar das dores, principalmente as causadas pelo dreno estava feliz e confiante. Ahhh esqueci de contar sobre essa parte do dreno, depois da broncoscopia colocaram um dreno fino, da grossura do dedo mindinho, na altura do pulmão abaixo do braço, mas depois da cirurgia colocaram um dreno bem mais grosso, da grossura do dedão... vocês não imaginam como isso faz diferença.

Dreno depois da retirada
Essa parte depois do papel branco estava dentro do pulmão direito

Fiquei com o dreno pós cirurgia mais dois dias. No último dia já não conseguia mais andar de tanta dor... chorei muito quando me levaram para a sala de raio-X, o dreno cutucava de todos os lados e eu não sabia o que fazer, os remédios não resolviam e eu estava muito agoniada.

A enfermeira ligou para o Dr. Leonardo, ele acessou a imagem do raio-X e foi correndo para o Madre Teresa. Ele foi tão rápido que esqueceu a mochila no outro hospital que ele estava...kkkkk. Quando chegou lá, todo empolgado ele disse, vamos retirar essa dor... me ensinou como respirar e puxou rapidamente o dreno... que alívio!!! Foi como se ele tivesse retirado a dor com a mão, literalmente... E para completar a felicidade, ele disse que estava de alta!!! Uhuuuuuuu, fiquei tão animada!

Nesse momento meu pai chegou de Bom Despacho com um cesto lindo cheio de cachos de uva que ele tinha colhido no quintal lá de casa. Isso completou minha felicidade!!!

Uvas (que meu pai colheu em BD) e cocadas

Dos oito dias que fiquei no hospital, sinceramente não tenho nada que reclamar. Deus estava presente o tempo todo, fui muito bem cuidada e recebi um carinho enorme de várias pessoas!!!

Me restaram 3 cicatrizes, que tenho certeza, me ajudarão a relembrar todos os milagres operados ao longo dessa caminhada.

A alta foi no dia 17/12 e a previsão do resultado da biópsia era para 23/12. A esperança de que seria algo bem menos agressivo ainda existia e era forte... eu acreditava que poderia ser algo bem diferente do câncer!!!

Vou deixar essa parte para o próximo post!!!

Palinha de hoje: Estou ótima e super feliz, temos visitas...uhuuuuuu!
O Dudu e a Bina, nossos amigos do Brasil, mais especificamente amigos de caminhada na igreja do Santo Antônio ficarão conosco quase uma semana, bom demais né?

Bjos carinhosos e animadores


#juntoscomcamila

terça-feira, 17 de março de 2015

# Dia 12: primeira biópsia desde o início do tratamento

Mais uma maratona hospitalar hoje, mas tudo correu muito bem, graças a Deus, conforme planejado. A Chicalica passou por uma biópsia para retirada de uma pequena amostra do tumor para que os médicos o analisem e comparem com os resultados prévios e futuros. Trata-se de um método de biópsia muito pouco invasivo, guiado por uma tomografia computadorizada, onde o cirurgião faz a punção exatamente no local do tumor.

Chicalica antes do procedimento com o cordão de Nossa Senhora Aparecida

Ficamos no hospital durante 3 horas após o procedimento e, após 2 exames de raio-X, através dos quais os médicos verificaram o tamanho dos pulmões, ela recebeu alta para irmos para casa.

Ela ainda encontra-se em repouso, pois há risco de pneumotórax, falando de forma leiga seria como se “entrasse ar no lugar errado”. Como a Chicalica já tinha feito outras biópsias e havia tido o pneumotórax em duas ocasiões ficamos apreensivos.

Chicalica pós-cirurgia

Deixo para a Chicalica a narrativa dos milagres e dos passos que seguimos, através das orientações do divino Espírito Santo, para chegar até aqui. Vim apenas para dar um breve “boletim médico” para todos que estão na torcida e em orações!

A cadeira foi só até o carro, já estava boa para caminhar!

Henrique Rohlfs

sexta-feira, 13 de março de 2015

Dia 8: sobre os milagres que nos trouxeram até aqui!

Vamos continuar nossa caminhada... ontem paramos na consulta com o Dr. Leonardo e viagem para Curitiba...

Foi tudo muito rápido e até então não tinha dado para organizar os acontecimentos... a viagem para Curitiba e Morretes foi muito boa... Afinal de contas, nada estava perdido, nem diagnóstico a gente tinha, poderia ser qualquer coisa... Os dois médicos que visitamos tinha nos dito: "Você é muito nova, nunca fumou, está com a saúde em perfeitas condições... muito pouco provável de ser câncer!".

Nessa viagem, não vi Deus pessoalmente, mas o vi em todos os lugares, em forma de pessoas, árvores, flores e rios... E escutava uma voz me dizendo a todo momento: "Fica tranquila, aconteça o que acontecer fica tranquila"... e isso me arrepiava, sabia que era Deus!


Morretes

A viagem terminou e voltamos para BH na segunda (08/12/2014) a noite.

Dormimos bem, fui trabalhar na terça e do trabalho fui para o hospital Madre Tereza. A Kessi Jones veio de Viçosa para me acompanhar e a Júnia, minha sogra, também foi com a gente.

De acordo com o Dr. Leonardo o procedimento seria rápido, porém incômodo... eu estava firme, confiante.

Ainda dentro do consultório ele conversou conosco e explicou que as chances de o material da broncoscopia ter resultado conclusivo eram muito pequenas. Que por esse motivo ele já iria organizar tudo para a cirurgia, pois não queria correr o risco do tempo ser insuficiente para fazermos tudo antes do Natal.

Entrei na sala de broncoscopia e tudo começou... a dor foi intensa e eu tive espasmos, chorei sem querer... e o primeiro milagre aconteceu: Deus me carregou no colo, arrepio só de lembrar. Todo vestido de branco, me pegou como se tivesse carregando um bebê e me disse olhando bem nos meus olhos: "Não chegou a sua hora, você tem muito o que fazer aqui nesse mundo. Sua responsabilidade é evangelizar. Quero fazer um combinado com você, ao final tudo ficará bem... e você viverá para evangelizar.". Eu respondi prontamente que aceitava, mas que eu não sabia como, que Ele ia precisar me ajudar. Então Ele disse: "Você saberá tudo que deve ser feito. Eu não coloquei o Henrique na sua vida em vão. Um é a fortaleza do outro." Ao dizer isso Ele me mostrou um campo gramado enorme, estava eu e o Henrique e algumas crianças... a imagem foi desvanecendo e vi o crucifixo na parede da sala. Procedimento realizado com sucesso e finalizado.

A enfermeira saiu da sala com o material o entregou diretamente nas mãos da Júnia, pediu a ela que levasse o material ao hospital Belo Horizonte e que entregasse nas mãos do Dr. Carlos Alberto... no dia não entendemos porque ela tinha escolhido a Júnia... mas depois compreendemos.

Antes de ir para casa, o Dr. Leonardo disse que existia 10% de chance de ter um pneumotórax, que se eu sentisse muita dificuldade de respirar e muitas dores que eu precisava ligar para ele.

Mas eu estava ótima e morta de fome!!!!

A Júnia foi para o hospital Belo Horizonte, levar o material e eu e a Késsia fomos para o shopping almoçar. Conversamos muito, contei tudo sobre o que Deus tinha me dito e nos emocionamos... Contei para meus pais, minhas irmãs e alguns amigos... estávamos certos de que Deus tinha algo maravilhoso nos aguardando, mas ainda não sabíamos o que era.

A Kessi Jones me deixou em casa e voltou para Viçosa. Quando cheguei o Chico já estava lá. Conversamos por horas, nos emocionamos com tudo... e então comecei a sentir dores, muitas dores... dormi sentada, o pouco que consegui... No outro dia de manhã eu estava um pouco melhor, tinha alguns exames pré-operatórios as 07h no hospital Madre Tereza, de lá eu iria para o trabalho... esses eram os meus plano.

Fiz os exames e depois resolvi procurar o Dr. Leonardo por causa das dores. Infelizmente ele não estava no hospital, então um pouco relutante liguei no celular e expliquei o que estava acontecendo. Ele pediu para que eu fosse ao pronto atendimento e pedisse a qualquer médico que fizesse um raio X e enviasse para ele. Assim foi feito. Estava lendo meu livro tranquilamente quando ele me ligou com a notícia de que seria internada. O pneumotórax tinha acontecido e teria que colocar um dreno.

Aguardei a chegada do Dr. Leonardo, o dreno foi colocado e tive que ficar na enfermaria até que um quarto fosse liberado, pois o hospital estava lotado. A Júnia levou almoço e  ficou comigo até minha mãe chegar de Bom Despacho.

Tínhamos esperança de ir para o quarto ainda naquele dia... a enfermaria também estava lotada.

O Chico veio depois do trabalho e ficou conosco. Tivemos a notícia que não iríamos para o quarto naquela noite, não tinham previsão de liberação de quarto.

A Vivi e o Andrezito (irmã e cunhado)  vieram me visitar e trouxeram lanche... eu estava tranquila, já tinha feito várias amizades ali e as dores tinham espaçado.

O Chico e minha mãe combinaram de revezar o acompanhamento naquela noite, ela ficou até 01 da manhã e ele ficou de 01 as 07. Depois ela voltou para que ele pudesse ir trabalhar.

Continuei na enfermaria sem previsão de quanto tempo ficaria ali... fiz caminhadas, recebi visitas (Tia Bebete e tia Lelena (madrinas), Lo e Dalila (primas) Super Leite (primo irmão), Débora (amiga e noiva do Super Leite), Cleice, Vanessa e Adriano (amigos do trabalho)) e conheci muitas pessoas com histórias tristes e alegres...

Durante a minha estadia na enfermaria um caso tinha chamado muito a minha atenção e da minha mãe: uma senhora com uma doença degenerativa. O que mais nos chamou a atenção foi o carinho dos filhos com ela, o cuidado e zelo!

Ficamos amiga da Cida, filha dessa senhora, e ela nos contou toda a história de luta, dor, superação e fé. Estava previsto que a mãe ficaria internada por 15 dias para tomar toda a medicação necessária. Em conversa com a minha mãe ela disse que tinha mais de mês que estavam esperando uma resposta de doação de duas, uma normal e uma de banho, cadeiras de rodas para a mãe. Que isso ia facilitar muito a vida delas.  

Quando a minha mãe me contou, me lembrei da campanha que tínhamos feito na igreja do Santo Antônio para conseguir cadeiras e que tínhamos conseguido muitas através de doações da comunidade. Então decidi naquele momento que faria uma campanha para conseguir essas cadeiras. Coincidência ou não, mas o super Leite e a Débora foram me visitar naquele mesmo dia. Contei tudo a eles e pedi apoio. Eles falaram que iriam providenciar...

Dei a notícia à Cida, disse que ela poderia contar com as cadeiras...

Consegui ir para o quarto no final desse dia...

A notícia de que as cadeiras já estavam compradas chegou até mim no outro dia de manhã. Telefonei para a Cida e contei... Ela não acreditou, ficou emocionada...

Horas mais tarde a Cida veio até meu quarto e contou que inesperadamente a mãe tinha tido uma super melhora e recebido alta... elas iriam para casa.

As cadeiras foram enviadas para a casa da Cida no dia 15/12/2015.

Se isso é coincidência? Não acredito que seja, para mim são as obras Divinas, os milagres que acontecem todos os dias e fazemos questão de não enxergar...

#juntoscomcamila

quinta-feira, 12 de março de 2015

Dia 7: sobre os milagres que nos trouxeram até aqui!

Oi pessoal,

A Nanda escreveu, o Chico escreveu, então agora é a minha vez!!!

Nos primeiros posts vou contar para vocês a trajetória até chegar aqui em Houston. Principalmente quero contar sobre todos os milagres já efetuados ao longo dessa caminhada.

Eu e o Henrique temos o costume de dizer que nós não escolhemos vir para o MD Anderson Cancer Center, apenas seguimos o passo a passo que Deus nos encaminhou... A intenção é que com os textos vocês tenham essa clareza assim como nós temos.

Então vamos começar do começo...

Sempre fui animada, ativa e confiante!!! Nunca fumei. Pratico exercícios físicos regularmente desde novinha, quando ainda morava em Bom Despacho.

No início de setembro comecei a sentir algumas dores no peito (lado direito) quando respirava fundo. Parecia que estava com alguma dor muscular. Com o passar dos dias comecei a sentir dores no abdômen, como se tivesse feito muitos abdominais. Eu até ficava feliz, achava que a academia estava fazendo muito efeito, até mesmo quando eu não ia... kkkkk. Havia dias que as dores apertavam mais, outros dias desapareciam.

No início de Outubro comecei a sentir dores nas costas quando ficava sentada por muito tempo. Algumas vezes tomava dorflex e as dores sumiam. Eram ainda toleráveis. Os dias que tinha aula no doutorado e prolongava os estudos depois das aulas a coisa ficava um pouquinho pior.

No final de Outubro, início de Novembro, comecei a ficar rouca e com muito pigarro. Achei que estava com sinusite. Depois comecei a sentir uma dor no lado direito do pescoço e parecia que tinha um bolo na minha garganta.

Eu comia e tinha azia, mas isso não me impedia de comer... kkkk.

Consultei com a Doutora Mariana, otorrinolaringologista, no início de Novembro. Ela suspeitou que eu estivesse com refluxo e pediu dois exames: uma endoscopia digestiva e um exame das cordas vocais. Além disso, pediu que eu procurasse um ortopedista porque ela não conseguia ligar a dor no pescoço com as dores no peito.

Consultei com a Doutora Ana Luiza, Ortopedista. Expliquei as dores e ela suspeitou de uma costocondrite. Mas para ter um diagnóstico conclusivo, a Dr. Ana Luiza pediu que eu fizesse uma tomografia computadorizada do tórax.

Essa tomografia foi realizada, na AXIAL, no dia 27/11/2014. O resultado estava previsto para o dia 02/12/2014. No dia 02 me ligaram da AXIAL pedindo para que eu retornasse e fizesse um complemento da tomografia com contraste.

Lembro que comentei com a Vanessa, minha amiga no trabalho: “Será que encontraram algo de errado?”. A Vanessa me tranquilizou dizendo que aquilo também já tinha acontecido com ela. Nesse dia tive um instante de medo, mas realmente achei que não fosse nada.

Retornei no dia 04/12/2014 à AXIAL. O Henrique me levou, eu estava tão tranquila que falei para ele ir trabalhar e que de lá pegaria um taxi e iria para o trabalho. Estava com meu material de trabalho todo, eu realmente esperava trabalhar naquele dia. Repetiram o exame com contraste e ao final o médico responsável, Dr. Augusto, veio conversar comigo. Em resumo ele disse que meu caso não era para a ortopedia, que eu deveria procurar com urgência um pneumologista, pois eles tinham encontrado uma massa no meu pulmão e que no melhor caso era uma tuberculose e no pior caso câncer. Que era preciso tentar eliminar a hipótese de câncer o mais rápido possível.

Fiquei chocada, mas segurei firme, não chorei... até sair da AXIAL. Liguei para o Henrique e confesso, desabei... chorei tanto que até solucei... mas ele não chorou, não vacilou um momento se quer e disse para ficar onde estava que ele voltaria para me buscar. Conversei com meus pais e minhas irmãs e choramos juntos... Eu não sei explicar, mas naquele momento estava mal!!!

O Henrique chegou, com aquele sorrisão nos lábios e a certeza de que tudo se resolveria. Fomos para casa e seguimos as instruções do Dr. Augusto, corremos atrás de um pneumologista que pudesse nos atender naquele mesmo dia.

Fomos atendidos pelo Dr Márcio, pneumologista, que indicou uma consulta com um cirurgião torácico para fazer uma biopsia e obter um diagnóstico conclusivo.

Nesse mesmo dia, por interseção Divina, a Kessi Jones (minha irmã) foi a um médico em Viçosa, contou o caso para ele. Este indicou um cirurgião torácico, Dr Leonardo, um dos nossos anjos. Conseguimos uma consulta logo para o dia seguinte.

Não sei descrever quão boa foi a consulta... Me lembro exatamente do momento em que o Dr. Leonardo disse: “Não sei o que você tem, mas vamos descobrir, tratar e curar!”. Gente, ele falou isso com tanta segurança e um sorriso no rosto que nos encheu de esperança!!! Prontamente, olhei para o Henrique e disse: “É com ele que vamos tratar.”

Era uma sexta-feira à tarde (05/12/2014) e tínhamos uma viagem marcada para Curitiba para aproveitar o feriado do dia 08. Perguntamos a ele se poderíamos manter a viagem e ele nos aconselhou a fazer isso, falou que seria muito bom. Marcou o primeiro procedimento para o dia 09: uma broncoscopia, como tentativa de coletar material para a biopsia.

Abaixo fotos da nossa viagem, que serviu para refletir, descansar e fazer a entrega nas mãos de Deus!

 Curitiba - Jardim Botânico

Barreado de Morretes

Paro por aqui para não prolongar muito, amanhã a gente continua, pode ser?

Obs. Sétimo dia do tratamento e sem efeitos colaterais... Uhuuuu!

Bjos carinhosos e animadores para todos vocês!

Camila 

#juntoscomcamila